in

Viver como podemos, sabemos e conseguimos!

Estamos numa viragem de mentalidades, e numa abordagem diferente à vida em geral, ou continuamos num consumismo descontrolado, uma corrida ao dinheiro e ao poder, em guerras mesquinhas ou temos finalmente maturidade de mudar a humanidade.

Se cada rico produz 100 pobres, está na altura de cada rico produzir mais riqueza através da redistribuição pessoal a quem achar necessitado e competente.

Se cada sistema politico seja la qual for o ismo, já falharam e de ditaduras a democracias, tudo falha e não avançamos senão criando elites  e sempre mais elites, impostos sobre impostos,  controles sobre controles.

Invertamos sem politiquices e sem esquerdas, direitas ou outras coisas, falsas ideologias e quejandas ideias que matam pessoas.

Mudemos o curso da História através da compaixão e do amor reais e desinteressados, os impostos que sirvam para a finalidade que foram criados e não para pagarem desgovernos sucessivos.

Cada um de nós, cidadãos temos o poder de ajudar o outro que esta ao nosso lado, mas temos que ter o querer, e o desapego para agir.

Se usassem o dinheiro das más gestões, dos bancos e dos governos para educação e saúde, que progresso se alcançaria.

Se usassem o dinheiro que aplicam a controlar, e a controlarem os outros, através de sistemas ao serviço do sistema, em educação e saúde que maravilhas se fariam.

Se usassem o dinheiro que gastam em comodidades e futilidades, consumismos criados através de sistemas ao serviço do sistema, publicidades e outros, em educação e saúde que maravilhas se fariam.

Se usassem os recursos  que existem em prole de todos em vez de só alguns que fabulosa seria a sociedade criada assim, até lá resta nos viver como podemos, sabemos e conseguimos!

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

1 ponto
Upvote Downvote

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

COMENTE ESTA OPINIÃO!

Flexibilização de abono de família para trabalhadores da EU

O silêncio dos Assistentes Sociais