in

Reforma tributária – Trump à margem e fora das margens

Reforma tributária - Trump à margem e fora das margens

Concorrência desleal – Impostos entre os Membros da EU e os EUA

António Justo

Numa primeira fase todos os americanos beneficiarão da redução de impostos de 1,27 trilhão de euros, concluem analistas internacionais. A reforma de Trump baixa os impostos empresariais de 35% para 21%.

A reforma tributária não é mais que um plano de recuperação económica para os EUA. A política fiscal tende a defender o local, o país ou a região. O presidente da Federação das indústrias alemãs (BDI) adverte: “Política fiscal é sempre política de localização”. De facto, a reforma de Trump torna-se numa declaração de luta contra a prática fiscal europeia. A Alemanha que tem um imposto superior a 30% ver-se-á obrigada a reduzir os impostos para dar resposta à concorrência fiscal dos EUA. A Europa não pode continuar a aproveitar-se do balanço dos EUA.

A competição acelerar-se-á e criará grandes desvantagens para os Estados europeus que verão muitas das suas empresas deslocarem os seus investimentos para os EUA. A concorrência que os países europeus lamentam nos americanos já a praticavam entre os países da EU; muitas empresas exercem uma concorrência desleal entre os países membros, como se dá com o Luxemburgo, Bélgica e Holanda que ofereciam condições de impostos vantajosas para empresas dos países membros; outras aproveitam-se da China para irem fazendo os seus negócios, também eles de concorrência aos EUA.

Para que os investidores não emigrem da EU para os USA, numa corrida à fuga fiscal, os países da EU terão também eles de diminuir os impostos sobre a produção. Na sequência e posteriormente, para manterem o Estado gordo, serão elevados os impostos dos bens de consumo e dos empregos remunerados.

Os EUA primeiro; é a intenção da reforma tributária de Trump. É um Plano de Recuperação Económica ad hoc para os EUA; talvez tente, com ele, responder, numa perspectiva nacional, ao globalismo liberal e tentar dar resposta ao socialismo capitalista chinês!

Este acto de Trump é mais um murro no estômago da União Europeia, acostumada a andar atrás do grande irmão do lado de lá do atlântico. Um país continente tem naturalmente uma outra perspectiva que estados incardinados em regiões culturais e por isso tenta agora, sem os aliados, afirmar-se e chamar a atenção da Europa para que cresça e apareça.

Felizmente a história da América permanecerá o exemplo de uma democracia que funciona e progride independentemente dos seus administradores! Para desenfastiar apareceu agora Trump que como outros passará e deixará os seus rastos e as suas carpideiras.

A reforma que Trump agora impôs vai tocar com os interesses económicos das grandes empresas europeias e obrigar a um Estado mais magro!

Uma constante histórica permanecerá, independentemente de quem governa, o problema será sempre para o mexilhão. Nós, os que estamos mais ou menos bem, teremos sempre o privilégio do lamento, na ilusão de que o nosso lamento vai ajudar quem vive menos bem.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Também quer publicar a sua opinião sobre um outro assunto? Clique AQUI agora!

Vote nesta opinião

4 pontos
Upvote Downvote

Total votes: 4

Upvotes: 4

Upvotes percentage: 100.000000%

Downvotes: 0

Downvotes percentage: 0.000000%

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

Qual a tua opinião?

Fizeram do natal um tempo de consumismo, em vez de se aproveitar a família e a harmonia

Parlamento serve os partidos pela calada da noite!

Parlamento serve os partidos pela calada da noite!