in

Quando olhas para o lado, não está lá ninguém

Cada vez mais apelamos ao amor e à compreensão, “temos que dar e ser mais amor” dizem, mas será que cada um pratica a sua parte?

Hum não me parece. 

As gerações estão a mudar mas por mais que mudem o culto do amor próprio está a sobrepor-se ao culto do amor ao próximo. 

Com isto não estou a dizer que não nos devemos de amar e de nos pôr em primeiro lugar, claro que temos. 

Mas foram tantos os anos que demorámos a saber o que é o amor próprio que agora nos esquecemos de partilhar o nosso amor. 

Cada vez estamos mais sozinhos, e quando olhamos para o lado não temos ninguém.  

Passamos demasiado tempo a olhar só para nos e para os problemas que temos para resolver, que nem damos conta das pessoas que estão ao nosso redor. 

Gostava que conseguíssemos equilibrar as duas coisas, e que o nosso amor chegasse tanto para nós mesmos como para os outros. 

Certo que nem todos merecem, mas isso é um juízo que só nós é que podemos fazer. A escolha de quem amamos e de quem nos acompanha nesta vida é só nossa, mas sinto que cada vez mais escolhemos fazer este “caminho” que é a vida  sozinhos. 

Não somos perfeitos e pensamos que para dar amor aos outros temos que abdicar do nosso amor, mas isso não funciona assim. 

Temos que ter um equilíbrio e é nesse equilíbrio que está o caminho para nos tornamos pessoas melhores, mais amadas, mas carinhosas e mais felizes sem duvida alguma. 

publicidade

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

Publicado por Inês Rocha

Por entre as palavras que escrevo podes conhecer um pouco mais de mim. Gosto de escrever sobre os mais variados temas e espero que acompanhes as minhas publicações aqui no Opinantes.

publicidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

publicidade

Não esperes datas especiais, as pessoas precisam ser conquistadas todos os dias

Plataformas YouTube,Twitter e Facebook obrigadas a substituir o Poder judicativo

Plataformas YouTube,Twitter e Facebook obrigadas a substituir o Poder judicativo