in

Psicologia do Amanhã: Verdades, Mitos e Medos

Como será a Psicologia do Amanhã? Numa ideologia em que uma consulta de Psicologia é realizada num consultório cheio de velas aromáticas, com mapas astrais e mentes futuristas? Será uma profissão tão vulgar que o seu caminho profissional será pouco reconhecido pela sociedade? Ou será, de facto, uma utopia em que a profissão estará bem-estabelecida sem que haja “mal-feitores”?

Para percebermos a urgência do paradigma desta incerteza face ao futuro da Psicologia, basta compreendermos a existência do Parecer realizado em 2017 (de acordo com o art.º 3º da Lei nº 57/2008, de 4 de Setembro, com a redacção dada pela Lei nº 138/2015, de 7 de Setembro), pela Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) sobre a Numerologia.

Vejamos, se este documento existe, é porque a necessidade de criá-lo esteve patente. Mas, se ainda existe alguma confusão entre estas áreas, a Psicologia e a Numerologia, é porque o caso é mesmo grave.

Já é do conhecimento que a Psicologia é o estudo do comportamento humano e dos processos mentais e, refletindo esse Parecer, também se sabe que a “Numerologia está associada às artes do divino, à astrologia e ao paranormal”, área essa refletida sem qualquer fundamento teórico nem evidência científica comprovada. Logo é como uma Pseudo-Ciência.

Saber que, neste caso em específico, a Ordem dos Psicológos que regula a profissão através do Código Deontológico, realizou um documento acerca de Numerologia é chocante. Quais serão as crenças e as expetativas do que é, verdadeiramente, a Ciência?

Esta interrogação ganha mais força através dos movimentos de “Para-Psicologia”, que tem como propósito envolver a Psicologia e a Paranormalidade, promovendo com ela, os contos de ficção infanto-juvenil e o desejo (im)possível de ler mentes, misturando uma vez mais, a Ciência com a Pseudo-Ciência.

Por exemplo: conhecer um(a) adolescente que tencione seguir a área da Psicologia porque viu a área da Parapsicologia ser abordada num documentário, é preocupante. E como se explica isso quando, recorrentemente, a ideia da Psicologia passa pela tão famosa bola de cristal e a varinha mágica que adivinha tudo, até os pensamentos?

Estas ligações perigosas fazem refletir e abismar sobre a urgência da Psicologia como Ciência e como disciplina em Portugal. A verdade é que todos os que são Psicólogos tem um longo caminho pela frente, caminho esse que necessita de se afirmar, agora mais do que nunca.

Mas qual será o futuro da Psicologia? Continuará a existir a sua fusão com a fantasia? Ou haverá, efetivamente, mais educação, literacia e respeito pela área?

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

Publicado por Alexandra Jesus

Mestranda em Psicologia do Trabalho e da Saúde Ocupacional pelo Instituto Superior Manuel Teixeira Gomes.

Projetos: Psico.TV - Portugal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

O que difere um Enfermeiro-Psicoterapeuta de um Psicólogo-Enfermeiro?

Hoje são todos Psicólogos, mesmo os que não tem formação