in

Os culpados têm rosto

As pessoas sentem um gozo imenso em deitar gasolina (lenha) para a fogueira. É mais forte que elas. Porém, tal revela maquiavelismo e pouca inteligência. A propósito de racismo, eu prefiro chamar preconceito e falta de educação, o que dizem uns ou o que escrevem outros, brancos ou negros, amarelos ou vermelhos, todos teriam as suas razões e agora estão à beira de as perder. Não acham que já está na hora de parar antes que o fogo fique incontrolável?

Seria fácil dizer que a culpa é de todos e todos iríamos para a cama com a consciência mais leve, mas não, a culpa tem rosto, o rosto de todos os políticos desde que se conhece o Portugal democrático. Daqueles que toda a vida “julgam” defender a integração, sobretudo naqueles dias pré-eleitorais, porque dá muito jeito, mas na prática o que mais tarde se vê são acções envergonhadas quando as mesmas existem, o que não abunda.

Nem é preciso ir muito longe. Veja-se o Bairro da Jamaica. Deixe-se a hipocrisia e vão a fundo na questão: o que eu gostava era que a Câmara Municipal do Seixal (gerida sempre pelo mesmo partido político desde 1975) explicasse a existência de um bairro assim em 2019. A ideia triste e clássica do “para quem é bacalhau basta” cheira a mofo, não serve e nunca serviu. Mas quando se vive numa sociedade orientada por políticos tristes, clássicos e que cheiram a mofo, não se pode esperar nada de muito diferente, a não ser para pior.

Mas o futebol é o ópio do povo. O assunto esmorece para gáudio de Joana Mortágua e de todos os outros. E como diz o meu amigo Francisco Figueiredo: “Umas vezes o Porto… outras o Benfica… o Sistema é o mesmo.” Preocupai-vos com o VAR e esqueçam tudo o resto.

A vida é um jogo.

Um dia “a casa vem abaixo” e a culpa não será da polícia nem dos civis.

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

1 ponto
Upvote Downvote

Publicado por João Pedro Martins

João Pedro Martins nasceu em 1967, em Vila Franca de Xira. Jornalista e escritor, deu os primeiros passos na Imprensa Escrita e na Rádio com apenas 17 anos. Rádio Comercial, RTP e TDM (Macau), entre outros, fazem parte do seu percurso.
Livros Publicados: Pedras Soltas - poemas (Fronteira do Caos Editores/2014); A Celebração do Rei Lagarto – romance (Fronteira do Caos Editores/2013); Amor, Meu Grande Amor – romance (Fronteira do Caos Editores/2012); A Promessa – romance (Fronteira do Caos Editores/2010); Segredos – romance (Fronteira do Caos editores/2009); Céu Negro – romance (Fronteira do Caos editores/2008); As Portas ou a morte de um mito – romance (Garrido Editores/2003).
Autor de texto "O Mundo da Lua", em Antologia de Poesia e Prosa (Lua de Marfim Editores, 2014).
Autor da Peça de Teatro: Paquera Cultural, levada à cena em Lisboa e em São Paulo, Brasil, integrada no Festival de Peças de Teatro de Um Minuto em 2013.
Troféu Excelência 2014, em reconhecimento ao valor artístico, da Literarte – Associação de Escritores e Artistas, que fraternalmente congrega artistas de diversas vertentes e entidades culturais do Brasil e do Mundo.
Membro Honorário do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora.
Links: Ver Livros - Escritores Online - Conexão

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

COMENTE ESTA OPINIÃO!

Tragicomédia no parlamento Inglês

O Reino Unido não tem de pertencer à União Europeia