in

O que se passa com Jonas e outras questões sobre o Benfica

O Benfica perdeu frente ao Lyon no seu último jogo de preparação para a nova temporada, deixando assim às claras uma série de questões que podem ser fundamentais para entender qual  o futuro da equipa na presente época, quando estamos a poucos dias do encontro frente ao Fenerbahce.

O que se passa com Jonas?

126 minutos em jogos da International Champions Cup, mais 110 minutos nos restantes jogos. O brasileiro tem sido considerado o melhor da Liga NOS, mas vai ficando de fora do onze de Rui Vitória por “opção técnica”. Talvez essa seja a única forma de tornar injustificável a ausência de um jogador que, seja como ponta-de-lança, seja como segundo avançado, dá mais qualidade e equilíbrio ao jogo dos encarnados. O certo é que não parece haver forma de imaginar um Benfica melhor para enfrentar o Fenerbahce do que com o brasileiro em campo.

Castillo ou Ferreyra, quem dá mais soluções?

Ferreyra voltou a estar entre os titulares e a sofrer com a incapacidade da equipa lhe criar jogo para aparecer no momento da finalização. Para além disso, o argentino procura muito enquadrar-se na dinâmica ofensiva do conjunto, algo que perante os “galgos” Cervi, Gedson e Salvio, acaba despercebido. Ferreyra é dos tais que beneficiaria, e muito, que Jonas aparecesse no onze, enquanto a outra opção, o chileno Nico Castillo, parece trabalhar melhor com o que lhe oferecerem. Jogador impulsivo e que busca a solução individual, parece resolver melhor nesta fase da temporada.

Faltam ideias à equipa, porque segue Zivkovic no banco?

É uma espécie de tradição anual na equipa encarnada, à terceira temporada com a camisola do Benfica, Zivkovic volta a começar no banco. O sérvio, no entanto, parece ser chamado a campo pela forma como o Benfica vai sentindo algumas dificuldades para enfrentar equipas melhor organizadas defensivamente. Seja pela faixa, seja no meio, deslocando Pizzi para o lado direito, Zivkovic oferece uma qualidade à posse de bola que não pode ser desperdiçada. Ao mesmo tempo, é com essa referência que a equipa procura mais movimentos interiores. Percebeu-se isso mesmo, na segunda parte frente ao Lyon, quando o sérvio esteve em campo.

A aposta em Gedson e como organizar o meio-campo?

Não há dúvidas de que Gedson é aposta, tal como não há dúvidas de que, no atual contexto do Benfica, é um jogador que tem feito tudo para se manter como titular. Rui Vitória tem pedido ao jovem para ser uma peça mais solta no meio-campo ofensivo, algo que poderá não ser o que melhor convém às suas características, mas é o que se conforma à utilização de Pizzi na zona central. Com Fejsa a manter-se como elemento base deste trio, este poderá ser um meio-campo bastante equilibrado, ainda que a forma como à equipa foi pedida uma linha defensiva em bloco alto o tenha desprotegido em diversas situações da primeira parte. Ao mesmo tempo, com bola, a equipa poderia realmente beneficiar de um jogador mais criativo neste trio, algo que poderá estar reservado a Krovinovic, quando regressar de lesão.

Há um problema na faixa lateral direita do Benfica?

Pessoalmente, não creio que exista um problema. André Almeida tem dado resposta ao que é pedido por Rui Vitória, evoluindo até na forma como entende a posição, percebendo-se, nesta pré-temporada, um conjunto de movimentos interiores e aparecimento na área que lhe dão mais valor ofensivo, exatamente aquilo que lhe é apontado como fragilidade. Ao mesmo tempo, é claro que num onze como o Benfica, um lateral com outras características (lembrar, por exemplo, que era Nélson Semedo quem detinha a posição), tornaria a equipa bastante mais agressiva do ponto-de-vista ofensivo, dando mais soluções do que aquelas que o adaptado André Almeida pode dar. Situação que pode (e deve!) ser pensada até ao fecho do mercado.

Pode Rúben Dias sair?

Rúben Dias é um jogador que está em processo de formação e, tendo dado uma boa resposta na utilização que teve durante a temporada passada, estará ainda longe de ser um jogador feito. Ao mesmo tempo, reúne determinadas condições, desde a sua formação no Benfica, o historial como capitão nas camadas jovens e o entendimento da sua posição no plantel como uma espécie de sucessor de Luisão (que terá mais uma época como mentor, em campo, do jovem internacional português), que parecem pesar mais do que as suas qualidades futebolísticas atuais. Com cinco centrais no plantel, é possível que um deles venha a sair. Mas Rúben Dias vale mais do que aquilo que o Benfica poderá encontrar no mercado neste momento.

Está resolvida a situação do guarda-redes?

O Benfica vai começar a temporada com três guarda-redes que podem ser titulares. Bruno Varela foi a aposta da época passada e, apesar das fragilidades demonstradas, acabou por ser um elemento que cumpriu de forma satisfatória a temporada. Mile Svilar é uma aposta de futuro e, como tal, continua a parecer-me fundamental que encontre um contexto para fazer o seu crescimento no futebol sénior, sem que seja obrigado a apresentar-se sob a pressão que existe no clube como o Benfica. Odisseas Vlachodimos, por sua vez, constituiu uma boa oportunidade de mercado e vai cumprindo com aquilo que lhe é exigido neste início da temporada. O facto de nenhum destes três guarda-redes ser um titular inquestionável poderá, a médio prazo, trazer, no entanto, mais problemas do que soluções.

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

3 pontos
Upvote Downvote

Publicado por Luís Cristóvão

Analista de futebol e autor do Podcast Linha Lateral. Toda a informação no meu site pessoal, luiscristovao.com

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

COMENTE ESTA OPINIÃO!

Regras para comportamentos sociais e profissionais (Montessori)

Ainda falta muito para o Sporting ser candidato