in

O que difere um Enfermeiro-Psicoterapeuta de um Psicólogo-Enfermeiro?

O documento que abrange a profissão de Enfermeiro-Psicoterapeuta foi publicado no Diário da República n.º 84/2019, Série II de 2019-05-02 pela Ordem dos Enfermeiros. De acordo o mesmo, “o Enfermeiro-Psicoterapeuta apresenta um conhecimento concreto e pensamento sistematizado, no domínio da disciplina, da profissão e da Psicoterapia com competência demonstrada do exercício profissional na área, através de uma relação psicoterapêutica diferenciada e planeada, recorrendo aos diferentes modelos psicoterapêuticos.”

Mas se pudermos observar um dos Pareceres elaborado pela Ordem dos Psicólogos Portugueses, nomeadamente o que aborda a Criação da Profissão de Psicoterapeuta (2018), podemos compreender a Psicoterapia como fruto de teorias psicológicas e de investigação científica cujo objetivo passa pela modificação de comportamentos, pensamentos e emoções, o que coincide com a área de actuação da Psicologia e Psiquiatria. Salienta ainda que “o processo psicoterapêutico depende de conhecimentos basilares sobre a saúde, desenvolvimento e dimensões da experiência humana, por isso, parte do conhecimento dos Psicoterapeutas não deve ser adquirido apenas na formação específica em Psicoterapia”.

É um facto que, desde 2016, a Ordem dos Psicólogos Portugueses passou a reconhecer a Especialidade Avançada em Psicoterapia. Para tal ser possível é necessário apresentar pelo menos 400 horas de formação teórico-prática, 150 horas de supervisão de casos de Psicoterapia e 100 horas de Desenvolvimento Pessoal.

Voltando à profissão de Enfermeiro e seguindo o respetivo documento, um Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica e de Enfermagem Comunitária que tencione ter a Competência Avançada em Psicoterapia, também terá que realizar o mesmo número de horas de formação teórico-prática, 250 horas de trabalho clínico sob supervisão, 150 horas de supervisão de casos e 175 horas de Psicoterapia ou Desenvolvimento Pessoal. Ou seja, um número mais elevado de horas comparando com os Psicólogos, o que é completamente compreensível devido à sua prévia formação base em Psicologia. E partindo do pressuposto que esses Enfermeiros-Especialistas apresentam ter um Mestrado e/ou Especialidade em Saúde Mental, o mais provável é não terem estudado os princípios básicos da Psicologia, a Licenciatura.

Então, o que difere estas duas profissões? Um Enfermeiro-Psicoterapeuta realiza uma Licenciatura em Enfermagem e prossegue os estudos com Mestrado na área de Saúde Mental e Especialidade Avançada, e um Psicólogo efetua uma Licenciatura em Psicologia e realiza Mestrado em Psicologia, envolvendo a Psicoterapia (como a área da Psicologia Clínica e da Saúde).

Será legítimo e coerente que, no futuro, os Psicólogos possam realizar uma Pós-Graduação e Estudos Avançados em Enfermagem de Saúde Mental/Comunitária, havendo Enfermeiros-Psicoterapeutas e Psicólogos-Enfermeiros e, persistindo os conflitos de papéis?

Referências:
– Ordem dos Psicólogos Portugueses (2018). Criação da Profissão de Psicoterapeuta – Parecer da OPP. Lisboa.
– Ordem dos Enfermeiros (2019). Regulamento da Competência Acrescida Avançada em Psicoterapia. Diário da República n.º 84/2019, Série II de 2019-05-02, Regulamento n.º 387/2019.

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

Publicado por Alexandra Jesus

Mestranda em Psicologia do Trabalho e da Saúde Ocupacional pelo Instituto Superior Manuel Teixeira Gomes.

Projetos: Psico.TV - Portugal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

“Pseudo” testes online que avaliam a personalidade em dois minutos

Psicologia do Amanhã: Verdades, Mitos e Medos