in

O ‘Ai Jesus’ do Flamengo! Rendo-me a si, Mister.

Confesso-lhe que comecei por desconfiar da sua aventura no Brasil. 

Não que duvide das suas qualidades e da sua competência. Não.

A questão é que os brasileiros, sobretudo os adeptos do Flamengo, são ‘loucos’. E eu, achei que não teriam paciência para lhe dar tempo a impor as suas ideias. 

Só que o Mister, chegou, viu e – ainda não venceu, é certo – mas já conquistou o Brasil, qual Pedro Álvares Cabral dos idos 1500.

Primeiro, os ‘brazucas’ estranharam, depois, entranharam. Que remédio!

São já 18 jogos seguidos sem perder, traduzidos em 15 vitórias e 3 empates. 

Além disso, a 11 jornadas do fim do Brasileirão, segue na frente com 10 pontos de avanço sobre o Palmeiras, o segundo classificado.

Ou seja, falta pouco – muito pouco – para o Mister ganhar um campeonato que o Flamengo já não vence desde 2009.

Por outro lado, goleou o Grémio por claros 5-0 e já está na final da Libertadores (a Liga dos Campeões da América do Sul) algo que não acontecia desde 1981.

Além de tudo isto, o Mister já conquistou a ‘torcida’ do ‘Mengão’ que até lhe dedicou uma música. Já a deve ter ouvido…

Até foi criada uma Banda Desenhada inspirada em si, onde o chamam de ‘Messias’.

Quem diria!?

No início, eram só críticas. Que era velho. Que não conhecia o futebol brasileiro. Que nunca tinha ganho nada de importante. 

Jornalistas e comentadores tiveram de morder a língua, depois dos resultados que tem vindo a obter.

E, a juntar aos resultados, o resto.

Zico, uma das referências do futebol brasileiro, em particular do Flamengo, já disse de sua justiça: “O Flamengo está a jogar o melhor futebol do Brasil. Os adeptos voltaram a acreditar com Jorge Jesus”, disse ele e eu imagino que o Mister deve ter ficado ‘inchado’ com estas palavras.

Bebeto, outra referência do futebol ‘brazuca’, também já se rendeu: “O Jesus conquistou os jogadores. A equipa está motivada e muito confiante e a torcida está eufórica com as exibições da equipa”. 

E é assim. Mesmo que, no fim, não ganhe nada, o Mister já tem um lugar na História do Flamengo e isso, por si só, já é uma vitória. 

E eu, enquanto português, fico orgulhoso. A sério. 

Dá gozo ver os brasileiros de boca aberta, a gritar pelo seu nome!

Podia dizer-lhe que sempre gostei de si. Seria fácil ir por aí, com esse discurso de palavras bonitas. Não o farei.

Confesso-lhe que quando chegou ao ‘meu’ Benfica, em 2009, levei as mãos à cabeça. 

Honestamente, achei que não era treinador para as águias. Um preconceito parvo, admito. 

Era daqueles que achava que o meu clube tinha de ter um treinador de elite.

O tempo obrigou-me a engolir o sapo. O seu estilo popular, os seus resultados, calaram-me.

E cedo passei a ser seu fã. O Mister é um génio do futebol. Poucos sabem da bola como o senhor. Sei isso hoje. E perdoe-me o preconceito estúpido. 

Gosto de o ver esbracejar no banco, durante os jogos. Deliro com as broncas que dá aos jogadores que o idolatram, apesar disso. Divirto-me com as suas conferências de imprensa e as palavras que inventa a cada frase.

O Mister junta as qualidades técnicas às humanas e isso não tem preço. Como sei viu depois do que aconteceu na Academia do Sporting.

Aprendi a gostar de si e a ter-lhe respeito, Mister Jorge Jesus. 

Lamentei quando saiu do Benfica e até acho que ainda haveria espaço para fazer mais no clube. Talvez um dia volte…

Torço por si no Flamengo. 

E Mister, o Brasileirão e a Libertadores são ‘peanears’!

publicidade

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

Publicado por Pedro Guináz

Este é um espaço dedicado ao futebol. De um adepto de bancada. Sem grandes teorias, sem pretensões e sem guerras inúteis.  De um fã de bons jogadores e do futebol jogado. Com paixão, mas sem clubismo. Um olhar simples sobre o 'futebolês'.

publicidade

Deixe uma resposta

publicidade

Água: uma força arrebatadora que ameaça escassear

Voz da Verdade só nas Entrelinhas