in

Nas costas dos outros, vejo as minhas

Temos por habito compactuar com ‘fofoquisses’ que nos rodeiam diariamente, mas abominamos por completo que alguém faça uma ‘fofoquisse’ nossa.

Como queremos nós que não falem da nossa vida, se todos os dias nos expomos para que tal aconteça?

Já nem falo nas nossa redes sociais, mas falo na nossa vida quotidiana, onde deixamos que pessoas tóxicas que só estão na nossa vida, para depois irem ‘para a mesa do lado falar da mesma’.

Em todos os grupos de amigos existe sempre aquele elemento que faz questão de te por a par de tudo o que se passa na vida de toda a gente. E nós muitas das vezes compactuamos com estes atos.

E compactuamos porque simplesmente às vezes não queremos pensar, que a nossa vida também está uma confusão tremenda. Do outro lado estão sempre histórias bem pior que as nossas e isso acalma os nosso anseios e dá-nos alento.

Ao mesmo tempo da-mos por nós a pensar, mas que raio tenho eu a ver com a vida daquela pessoa, se não é ela que me está a contar os problemas da sua vida, nem me está a pedir conselhos. Mas mesmo assim entramos no jogo, e para não falarmos de nós ao menos vamos dando uns conselhos de banca nas vida nos outros, mesmo que estes não estejam a ouvir.

Quando compactuamos com este tipo de atitudes, e damos voz a este tipo de pessoas que para não falarem dos seus próprios problemas falam dos problemas dos outros, estejamos sujeitos a que essa mesma pessoa, vá fazer exatamente o mesmo connosco

Esse tipo de atitude quando nos é dirigida diretamente e quando é da nossa vida que se trata e que anda nas ‘bocas do mundo’, já não achamos tanta graça.

Mas quando nos sentamos naquela mesa de café e até nos armamos em comentadores de banca da vida dos outros já não achamos tão mal assim.

Isto sempre aconteceu e sempre vai acontecer, mas na minha opinião, devíamos mais olhar para a nossa vida e ver o que realmente nos importa, e quais os temas que realmente queremos ter na nossa mesa de café.

A vida dos outros aos outros pertence, sejamos mais humildes para falar da nossa vida na primeira pessoa.

Vai para aquela mesa de café falar da tua vida e ouve os que as pessoas tem para te dizer se assim o desejares, e fala da vida dos outros só quando estes também falam dela na primeira pessoa.

Se cada um mudar um bocadinho a sua mentalidades, todos vamos mudar um bocadinho e isso já é um grande avanço.

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

Publicado por Inês Rocha

Por entre as palavras que escrevo podes conhecer um pouco mais de mim. Gosto de escrever sobre os mais variados temas e espero que acompanhes as minhas publicações aqui no Opinantes.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

COMENTE ESTA OPINIÃO!

Porque não deixarmos de ser patos e nos contentamos com a caça aos gambuzinos!

Porque não deixarmos de ser patos e nos contentamos com a caça aos gambuzinos!

E agora, Campeão? Debandada?

E agora, Campeão? Debandada?