in

Joe Berardo, o Comendador Floribela

Joe Berardo, o Comendador Floribela

Nada percebo de política, muito menos de economia, mas situações como esta devem ser tratadas, no meu entender, como uma questão de cidadania.

Nos últimos dias não se fala de outra coisa a não ser Joe Berardo, o seu património, as suas dívidas e a sua ida à comissão de inquérito parlamentar.

Ao que parece, e citando Ricardo Araújo Pereira, o Comendador é a floribela do parlamento português, numa espécie de karaoke onde lhe encaixava na perfeição o tema “Não tenho nada, mas tenho tenho tudo”.

Muitos foram os que já vieram dizer que o colecionador madeirense devia perder os títulos com que foi condecorado, porque afinal o homem que tinha (e)levado o nome de Portugal além fronteiras não passava de um empresário que tinha oferecido como garantias aos bancos portugueses títulos de participação na sua associação (detentora das obras expostas no CCB) e não as obras de arte em si, recusando-se terminantemente a pagar as dívidas que lhe são impostas.

Políticos à parte, são já alguns os que nas redes sociais apoiam a iniciativa de uma tentativa de boicote a Berardo, recusando-se a comprar produtos produzidos por empresas das quais o Comendador é acionista.

No meu entender, Joe Berardo é o espelho de muitos dos empresários que montam os seus monopólios às custas do Estado que tantos como este sustenta.

Estaremos nós a assistir ao início do declínio deste tipo de negócios ou vamos continuar a alimentar estes empresários que tanto elevam o nome deste pequeno país à beira-mar plantado?

Na pior das hipóteses, o melhor será dar a lista de contactos de todos estes “comendadores” ao humorista Nilton, que com toda a certeza os adicionaria à sua rubrica “Paga o que deves!”.

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

6 pontos
Upvote Downvote

Publicado por Carminho Vasconcelos

Todos têm alguma coisa a dizer sobre determinado assunto. Mas será que isso nos torna pessoas mais informadas? Gosto de pensar que qualquer ideia ou opinião deve ser amadurecida antes de partilhada.

Queríamos um Salvador, mas saiu-nos um Conan

Porque não deixarmos de ser patos e nos contentamos com a caça aos gambuzinos!

Porque não deixarmos de ser patos e nos contentamos com a caça aos gambuzinos!