in

Hoje destrói-se pelos fungos o que antes ia para a fogueira!?!

Hoje destrói-se pelos fungos o que antes ia para a fogueira!?!

Depois do ARQUIVO e da BIBLIOTECA, chegou agora a vez de vos falar do SETOR EDITORIAL dos ex-Serviços de Cultura da Assembleia Distrital de Lisboa – também ele alvo do menosprezo e abandono por parte do Estado – o qual, em 30 de março de 2015, tinha em armazém mais de 45 mil exemplares (monografias e periódicos) avaliados em cerca de 316 mil euros (preço de venda sem IVA), abrangendo todos os concelhos do distrito de Lisboa nas mais diversificadas temáticas (da história à geografia, da arte à arqueologia, da linguística à etnografia, etc).

Das várias obras editadas ao longo de mais de meio século (a maioria ainda disponíveis para venda aquando da transferência da responsabilidade para a Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas – conforme Despacho n.º 9.507/2015, publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 162, de 20 de agosto), destacamos as mais emblemáticas , a revista Boletim Cultural (índice de autores e catálogo ideotoponímico) e a série Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa (catálogo ideotoponímico), ambas de méritos reconhecidos nos mais conceituados meios académicos nacionais e até internacionais.

Ainda assim, o valor intrínseco dos estudos nelas incluídos (elaborados por investigadores de renome, uns mais conhecidos que outros, mas todos altamente qualificados) não impediu que fossem votados a um cruel destino, encerrados entre quatro paredes, prisioneiros da vontade política de autarcas e governantes que numa reforma apressada os confinaram à morte lenta entre fungos e pó.

Os artigos incluídos na primeira publicação citada versam os seguintes temas: ARQUEOLOGIA, ETNOGRAFIA, FILOSOFIA, GEOGRAFIA URBANA, HERÁLDICA, HISTÓRIA, HISTÓRIA DE ARTE (Arquitetura, Azulejaria, Escultura, Ourivesaria, Pintura), HISTÓRIA LOCAL / REGIONAL, LINGUÍSTICA, LITERATURA / LITERATURA POPULAR, NUMISMÁTICA, OLISIPOGRAFIA.

Quanto à segunda, o título indica do que se trata e, por isso, destacamos os concelhos tratados por volumes:

Volume I (2.ª edição facsimilada) – 1990. Concelhos: ALENQUER. ARRUDA DOS VINHOS. AZAMBUJA. CADAVAL. Autores: Dr. Carlos de Azevedo, Julieta Ferrão e Dr. Adriano de Gusmão.

Volume II (2.ª edição facsimilada) – 1990. Concelhos: SINTRA. OEIRAS. CASCAIS. Autores: Dr. Carlos Azevedo, Julieta Ferrão e Dr. Adriano de Gusmão.

Volume III – 1963 – ESGOTADO. Concelhos: MAFRA. LOURES. VILA FRANCA DE XIRA. Autores: Dr. Carlos de Azevedo, Julieta Ferrão e Dr. Adriano de Gusmão.

Volume IV – 1963 – ESGOTADO. Concelhos: TORRES VEDRAS. LOURINHÃ. SOBRAL DE MONTE AGRAÇO. Autores: Dr. Carlos de Azevedo e Dr. Adriano de Gusmão.

Volume V (5 tomos). Concelho: LISBOA. 1.º tomo (1973) – ESGOTADO. Freguesias: Castelo, Graça, Madalena, Santa Justa, Santiago, Santo Estêvão, São Cristóvão e São Lourenço, São Miguel, São Nicolau, Sé, Socorro. Direção: Prof. Doutor D. Fernando de Almeida. Autores: Dr.ª Maria João Madeira Rodrigues, Dr.ª Maria de Lurdes Bártolo, Pintor Abel de Moura, Dr. António Manuel Gonçalves, Pintor Armindo Aires de Carvalho, Dr. Jorge Pais da Silva, Eng.º Manuel Maia Ataíde e Dr. Manuel Rio-Carvalho.

2.º tomo (1975) – ESGOTADO. Freguesias: Anjos, Coração de Jesus, Encarnação, Mártires, Mercês, Pena, Sacramento, Santa Catarina, Santa Engrácia, São José, São Mamede, São Paulo. Direção: Prof. Doutor D. Fernando de Almeida. Autores: Dr.ª Maria João Madeira Rodrigues, Dr.ª Irisalva Moita, Eng.º Manuel Maia Ataíde, Dr. Jorge Pais da Silva, Dr. Manuel Rio-Carvalho, Dr. António Manuel Gonçalves.

3.º tomo (1988). Freguesias: Ajuda, Alcântara, Lapa, Prazeres, Santa Isabel, Santa Maria de Belém, Santo Condestável, Santos-o-Velho, São Francisco Xavier. Coordenação: Eng.º Manuel Maia Ataíde. Colaboração: Dra. Maria Micaela Soares. Autores: Dr. António Manuel Gonçalves, Dr. Fernando Castelo Branco, Dr. Horácio Bonifácio, Dr.ª Irisalva Moita, Eng.º Manuel Maia Ataíde, Dr.ª Maria João Madeira Rodrigues e Prof. Doutor Vítor Serrão.

4.º tomo – 1.ª parte (2000). Freguesias: Benfica, Campolide, Nossa Senhora de Fátima, São Domingos de Benfica, São Sebastião da Pedreira. Coordenadores: Eng.º Manuel Maia Ataíde e Dr.ª Maria Micaela Soares. Revisão literária e tipográfica: Maria Micaela Soares. Autores: Dr. Joaquim O. Caetano, José Meco, Eng.º Manuel M. Ataíde, Dr. Miguel Soromenho.

4.º tomo – 2.ª parte (2000) Freguesias: Alvalade, Ameixoeira, Campo Grande, Carnide, Charneca, Lumiar, São João de Brito. Coordenadores: Eng.º Manuel Maia Ataíde e Dr.ª Maria Micaela Soares. Revisão literária e tipográfica: Maria Micaela Soares. Autores: Dr. Fernando Castelo Branco, Dr.ª Irisalva Moita, José Meco, Prof. Doutor Vítor Serrão.

5.º tomo – edição Livros Horizonte (2007). Freguesias: Alto do Pina, Beato, Marvila, Penha de França, Santa Maria dos Olivais, São João, São João de Deus, São Jorge de Arroios.

Em junho de 2010, José D’Encarnação (arqueólogo e historiador, professor universitário catedrático) anunciava na plataforma da Universidade de Coimbra a saída de mais um número do Boletim Cultural.

«Está em distribuição o n.º 95 (IV série), 2009, 2 tomos (254 e 168 páginas respectivamente), deste conceituado boletim (ISSN: 0870-0761), dirigido por Micaela Soares. (…)

Dois tomos em que, por conseguinte, a História anda de braço dado com a História de Arte, a Etnografia e a Arqueologia também. Aplaude-se, pois, a tenacidade da Dra. Micaela em “apesar das naturais dificuldades por que passam as ainda resistentes assembleias distritais” conseguir uma publicação de raro mérito.»

As últimas notícias publicadas na página do Facebook da Assembleia Distrital de Lisboa (todas do 1.º trimestre de 2015) apresentam algumas notas sobre este importante património que se encontra agora encerrado numa cave escura e húmida num edifício devoluto, completamente abandonado (o n.º 137 da Rua José Estêvão, em Lisboa), a degradar-se de forma irreversível.

Será esta uma forma moderna de destruir pelos fungos aquilo que antes era queimado na fogueira da inquisição?

Boletim da Junta de Província da Estremadura

Boletim Cultural da Junta Distrital de Lisboa

Boletim Cultual da Assembleia Distrital de Lisboa (1977 a 2009)

Revista de Arqueologia

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

Publicado por Ermelinda Toscano

Nasci na Trafaria em 1959 e resido em Cacilhas desde 2000. Licenciada em Geografia e Planeamento Regional, com pós-graduação em Gestão Autárquica. Trabalhei numa entidade autárquica supramunicipal de 1987 a 2015, tendo exercido o cargo de Diretora dos Serviços de Cultura de 2004 a 2014. Desde 2015 integro a Unidade de Fundos Estruturais da Direção-Geral das Autarquias Locais. Fui autarca na Assembleia de Freguesia de Cacilhas entre 2005 e 2010 e na Assembleia Municipal de Almada de 2009 a 2010. Pertenci aos corpos gerentes da SCALA – Sociedade Cultural de Artes e Letras de Almada durante vários mandatos sucessivos e sou Secretária da Direção da Associação de Cidadania de Cacilhas – O FAROL desde 2008. Concebi o projeto cultural “Café com Letras” em Almada (2003 a 2006) e coordenei a associação informal “Poetas Almadenses” (2006 a 2014).

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

COMENTE ESTA OPINIÃO!

Da crítica literária à perplexidade do leitor

Da crítica literária à perplexidade do leitor

Sobre as conquistas das revoluções, sejam elas quais forem…