in

Festa de São Silvestre / Ano Novo

Em Portugal a Festa encontra-se em casa

A festa do Ano Novo (da passagem 31 de Dezembro) é nomeada de festa de S. Silvstre, o nome do Papa Silvestre I, que morreu em Roma no dia 31 de Dezembro do ano 335.

Esse dia é, pela primeira vez, menciondo, no calendário eclesiástico, em 813, como onomástico de São Silvestre,  o padroeiro dos animais domésticos e de um feliz ano novo.

Os romanos começaram a celebrar a festa, pela primeira vez no ano  153 a.C., data em que o início do ano foi adiado de 1º de março para 1º de janeiro.

Na Alemanha na véspera do ano novo (Silvester) celebra-se a passagem com foguetes e fogos de artifício por toda a parte. Torna-se num espectáculo em que, à meia noite,  as pessoas vão para a rua, com os vizinhos, lançar os foguetes e com um copo de espumante brindam e trocam augúrios de Boas Festas.

É uma festa celebrada em todo o mundo e a que andam ligadas as mais diversas superstições e costumes. Em Berlim juntam-se na Porta de Brandenburgo mais de um milhão de pessoas a celebrar a passagem com um copo de sekt (vinho alemão semelhante ao champanhe) ou de champanhe! Na Alemanha oscomerciantes de sekt vendem só para essa noite 20% do consumo do ano.

Em Portugal, por exemplo no Porto, as pessoas celebram a passagem com um bom jantar em casa ou num restaurante e antes da meia-noite saem para a rua para assistir ao show dos fogos de artifício.

Por todo o país se festeja a magia da passagem e se admira, além do espectáculo pirotécnico, também os enfeites das luzes da época natalícia. Nesta altura Portugal torna-se num magnete de estrangeiros no Porto, na Madeira (mais de 500.000), em Lisboa, na Nazaré etc.  Muitas outras terras também se aproveitam da ocasião para festejar também com estrangeiros.

Em Portugal o mundo encontra um povo que gosta da festa!

Um ano 2019 à medida dos vossos desejos.

António da Cunha Duarte Justo in, Pegadas do Tempo

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

1 ponto
Upvote Downvote

Publicado por António da Cunha Duarte Justo

Natural de Arouca, formado em Filosofia, Teologia, e Ciências da Educacao, casado com a pintora Carola Justo, 4 filhos, jornalista, (activi.profis. sindicalistas e políticas, cf. http://antonio-justo.eu). Autor e ex-chefe redator da revista Gemeinsam, publicou o livro de poesias “Nas pegadas da Poesia” na OxaláEditora, colaborador de várias revistas e jornais, é presidente da Associação Arcádia.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

COMENTE ESTA OPINIÃO!

Negação da celebração do Natal – O suicídio da nossa cultura

Dom Quixote é a elite e Sancho Pança é o povo