in

As referências que se vão perdendo…

As referências que se vão perdendo...

Confesso que me sinto triste.

Estarei a passar para uma nova fase da minha vida onde as referências aos vários níveis começam a desaparecer.

Quando estava no ISCTE Belmiro de Azevedo era aspiracional. Xutos e Pontapés ouvíamos nos Walkman…

Belmiro não existe mais e Zé Pedro, que fazia orgulhosamente parte de um grupo que também pertenço, os transplantados em Portugal, também nos deixou.

As rábulas do ator João Ricardo também eram sempre esperadas numa qq edição dos Globos de Ouro tal como era um prazer imenso ouvir Pedro Rolo Duarte na TSF…

Tb já não vamos ter mais nada disso.

Isto para não falar de referências internacionais que nos foram deixando como David Bowie, o homem que conseguia fazer da sua música um verdadeiro camaleão.

Outras referências como Mário Soares.

Pode ser polémico dizer isto mas finda a tripla Soares/Sá Carneiro/Cunhal tb se perdeu muito do referencial político em que vivi.

E portanto perante este cenário de perda de referências fica a pergunta: deveremos procurar sempre novas referências ou manter as nossas raízes nas referências que nos ajudaram a crescer e a sermos os adultos que somos hoje?

É certo que para a frente será o caminho e os legados deixados também serão referências a seguir mas…

O sentimento é mesmo de orfandade.

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

6 pontos
Upvote Downvote

Publicado por Luis Taborda

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

COMENTE ESTA OPINIÃO!

Jesuralém é o coração de civilizações e também o seu barril de pólvora

Jesuralém é o coração de civilizações e também o seu barril de pólvora

Os incêndios em Portugal: E então? O que temos de novo?