in

As fífias da FIFA: votos ao estilo Eurovisão, já!

Pois é, pois é…

Eu não acredito em bruxas, mas que elas existem, existem!… Então não é que, afinal, houve votos fantasma no Lionel Messi!

Nem queria acreditar. Uma entidade tão idónea como a FIFA não pode estar a manipular resultados, pensei.

Porém, logo a seguir nestes meus pensamentos, lembrei-me que não é a primeira vez que aparecem votos fantasma nos prémios da FIFA.

Será coincidência!? Não, deve ser só azar.

Vamos aos factos.

O capitão da selecção da Nicarágua jura a pés juntos que não votou em Messi. Contudo, na lista oficial divulgada pela FIFA lá estava que Juan Barrera tinha dado 5 pontos ao jogador argentino.

Noutra linha, o seleccionador do Sudão também garante não ter votado no avançado do Barcelona, mas sim em Salah, van Dijk e Sadio Mané.

Sinceramente, a mim, um mero apreciador de futebol, pouco me interessa saber quem votou em quem.

Na verdade, nesta altura do campeonato já nem me interessa quem ganhou ou perdeu.

Uma coisa parece-me óbvia: alguém está a mentir.

E isso é que é lamentável em toda esta ‘treta’.

Mais factos.

O seleccionador e o capitão da selecção do Egipto votaram em Mohamed Salah para vencedor do ‘The Best’. Mas os votos não foram contabilizados. Porquê? A FIFA já explicou.

A entidade presidida por Gianni Infantino já disse em comunicado oficial que os votos do Egipto não foram contabilizados porque os boletins foram considerados inválidos por estarem escritos em letras maiúsculas.

A sério!? Estão a gozar, certo!?

Mas alguém acredita nisto!?

Parece-me uma desculpa esfarrapada.

Uma fífia da FIFA, portanto.

Já não bastava a injustiça de Messi ganhar quando van Dijk e Cristiano foram melhores, como agora ainda se descobre que a vitória do argentino, se calhar, não foi assim tão ‘limpinha’.

Uma palhaçada, portanto.

Toda esta fífia da FIFA é lamentável. Desde logo para o próprio Messi, uma vez que não terá culpa da incompetência – para não dizer outra coisa – do organismo que tutela o futebol mundial.

Depois, é lamentável para a credibilidade do futebol em geral.

Tenho toda a legitimidade em questionar a veracidade de todos os resultados dos prémios da FIFA. Os deste ano, os de todos os anos, os passados e os que ainda estão por vir. E, como eu, toda a gente terá a mesma legitimidade.

A pergunta que se coloca é: e agora, Gianno Infantino?

Vais varrer o problema para debaixo do tapete?  Vais enterrar a cabeça na areia?  Vais assobiar para o lado?

Eu tenho uma ideia para voltar a dar credibilidade aos prémios da FIFA. Sim, não te iludas Gianni, os prémios da tua amada FIFA estão feridos de morte. Já toda a gente duvida.

E a minha ideia é, na verdade, muito simples.

Proponho que as votações dos prémios FIFA sejam feitos ao estilo Festival Eurovisão da Canção.

Se não conheces, podes pedir a um dos teus assessores que investigue e te mostre o que é.

A ideia é a transparência, portanto, as votações dos prémios FIFA devem ser feitas à frente de todos.

A primeira edição dessa renovada gala Prémios FIFA até pode ser em Portugal, de certeza que a nossa Federação de Futebol pode dar uma grande ajuda na organização.

De Portugal, até podemos dispensar a Cristina Ferreira, uma apresentadora muito famosa da nossa televisão. Vais gostar dela, vais ver.

Como dizia, ela pode apresentar a gala. Se quiseres, até podemos arranjar umas actrizes giras, temos várias.

Durante a gala, fazem-se ligações directas aos vários países onde estarão os seleccionadores, os capitães das selecções e demais votantes.

E será assim em directo, às claras e à frente de todos, que se fará a votação nos melhores. Mas nos melhores de verdade. Sem votos ‘fantasma’, sem boletins de voto escritos em letra maiúscula, sem ‘tretas’, sem desculpas.

Boa?

Pensa nisso.

Um abraço, Gianni.

publicidade

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

Publicado por Pedro Guináz

Este é um espaço dedicado ao futebol. De um adepto de bancada. Sem grandes teorias, sem pretensões e sem guerras inúteis.  De um fã de bons jogadores e do futebol jogado. Com paixão, mas sem clubismo. Um olhar simples sobre o 'futebolês'.

publicidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

publicidade

Geringonça, arrufos de amigos e profecias. Mas afinal quem é o pai da criança?

João Cristiano Félix Ronaldo. Entre Turim e Moscovo, fez-se História em português