in

AMAL HUSSAIN – Quando no teu rosto nascerem flores

Tyler Hicks/The New York Times

Todos nós conhecemos esta comovente fotografia de Amal Hussain. A imagem deu a volta ao mundo, no final do ano passado, pelas piores razões: a morte inútil de uma criança inocente. Dediquei-lhe esta pequena crónica, em jeito de votos de um  ano de 2019 mais humano.

É sempre tarde quando te olhas ao espelho. Imagem densa, palpitante, ainda bem viva. Habitas a casa imensa, feita de violinos mudos encostados uns aos outros. Todas as orientações espaciais são exequíveis, todos os movimentos são possibilidade sonora. Partem-se os sons em fragmentos dos dias, por entre horas de silêncio pousadas nas cinco linhas da pauta que é a tua vida. No meio dessa melodia desafinada, está o teu corpo sinuoso como um violino, ondeando numa bela canção. Mas não há quem a cante.

A Festa acabou. Nasceu outra vez o Menino que sabemos que vai morrer. Para nos salvar, disseram-nos. Para sermos perdoados de todos os males deste mundo. Mas quais são, afinal, os males deste mundo? Porque estagnou a água da infância no deserto da vontade humana? Nascem tantos meninos com o fim colado nesse princípio. Como apagar o precipício por onde caem os que não têm nome nem rosto?

Olhas-te ao espelho e não reconheces a tua imagem total. É muito tarde nas tuas novas rugas, cada vez mais profundas. Lês nos sulcos negros as palavras de ordem dos recém-nascidos, as ladainhas de boas vindas neste lugar que reservámos para todos eles: uns, deitados nos berços de veludo e outros, enterrados a sete palmos de terra. Mas há uma alegria que parece genuína no brilho das estrelas. Elas adormecem nos olhos pequeninos e tu ficas presa a esse lugar de amor e esperança, o lago imaginário onde os peixes dançavam à volta da menina que tu eras. A imagem da água é agora um grande vazio da memória. De que serve chorar?

Sabemos que o Menino tem um duplo desígnio, particular e universal. Mas vemos nascer as flores da morte no seu rosto, a cada dia que passa: tu já sabes, foi por isso que ele nasceu. Para que o destino de outros desafortunados meninos seja exactamente o mesmo, o do sofrimento. Nos confins do mundo, longe dos jardins que plantamos na infância perfeita e idealizada, que afinal não existe.

Amal Hussain, de sete anos de idade, morreu de fome num hospital de um campo de refugiados, no meio da maior crise humanitária do mundo actual, no Iémen. Estima-se que desde o início da guerra, em 2015, morreram cerca de oitenta e cinco mil crianças, de fome, doença e falta de cuidados. A sua imagem retrata um pequeno corpo consumido pela injustiça. No rosto, belo como uma flor, a luz da esperança, ainda e sempre a esperança. Um jardim onde ela previu que também nasceriam as flores da morte. É impossível não me comover, é imperioso chorar por Amal. Pedir-lhe perdão por tudo o que não conseguimos fazer para a salvar. Falo com a mulher que vejo no espelho e vejo a criança que fui na infância de amor e felicidade. Vejo tudo aquilo a que tive direito. Agradeço, por isso, a quem cuidou de mim, a quem me amou. E vejo o infortúnio de Amal, que se tornou num símbolo da nossa vergonha: mais do mesmo, o espanto de nos habituarmos a estas formas de vida.

O tempo também morre e atirámos foguetes à noite para celebrar a tragédia da passagem de um ano inteiro em que não fizemos nada que valesse a pena – cálices ao alto, vivas ao alto. Destinado ao tempo novo, o esperado ano chegará sempre depois da meia noite, por incrível que pareça, ano após ano em dezembro, o mês do nascimento do Menino Jesus, em festas forçadas de ridícula abundância e desperdício, para esconder a nossa falta de humanidade.

Cálices ao alto, vivas ao alto, injustiças ao alto. Vemos e ignoramos. Afinal, tudo está no seu devido lugar. Bom Ano para todos nós, se ainda formos capazes de alguma bondade.

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

2 pontos
Upvote Downvote

Publicado por Adília César

Educadora de infância e formadora no âmbito da Didáctica das Expressões Artísticas, sendo Mestre em Teatro e Educação. Publicou dois livros de poesia: “O que se ergue do fogo”(2016) e “Lugar-Corpo”(2017) e tem colaborações dispersas em revistas, magazines e poezines, nomeadamente: LÓGOS – Biblioteca do Tempo, Eufeme, Piolho, Estupida, Debaixo do Bulcão, Enfermaria 6 e Nova Águia, além de ensaios e artigos de opinião. É co-coordenadora do projecto literário “LÓGOS – Biblioteca do Tempo” e co-directora editorial da revista com o mesmo nome.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

COMENTE ESTA OPINIÃO!

Um Deputado Europeu ganha mais que a Chanceler Alemã

Interesses económicos usados como motores de discórdia e guerras