in

Alguns equívocos dos Contos de Fadas

Créditos da imagem: Pinterest

Faz sentido ler contos de fadas às crianças? Sim, e porquê?

– as palavras escritas estão relacionadas com o desenvolvimento da criatividade;

– as crianças mais novas ligam-se desde muito cedo às tecnologias e é necessário fazê-los contactar com outros suportes de conhecimento;

– a actividade de leitura proporciona momentos de convívio em família, fundamentais do ponto de vista da afectividade e da formação da criança enquanto leitora;

– o livro em si é valorizado;

– as crianças apropriam-se de um riquíssimo  reportório simbólico, o qual proporciona discussões filosóficas sobre valores, o bem e o mal, etc.;

– os textos são, de um modo geral, estimulantes do ponto de vista do enriquecimento do vocabulário;

– o esquema narrativo os contos organizam o pensamento das crianças a nível da facilitação de esquemas narrativos na linguagem oral e escrita.

Muito haveria a dizer sobre os contos de fadas, mas o mais importante é referir alguns equívocos éticos de narrativas antigas e também antiquadas:

– as madrastas já não são sempre más, pelo contrário, prestam um apoio essencial às crianças pequenas quando se confrontam com uma segunda relação do pai;

– as princesas já não esperam passivamente um príncipe encantado que as venha salvar, todas as mulheres têm o direito e o dever de irem à procura da sua própria felicidade;

– o Marquês de Carabás ou outro pai qualquer já não entrega a sua filha em casamento ao Gato das Botas ou a outro homem qualquer, pois ela é que decide se quer casar e com quem!

Por outro lado, é urgente ultrapassar, por exemplo, erros existentes nos contos de fadas no que diz respeito aos papéis tradicionais das mulheres dependentes dos pais ou dos maridos, uma vez que nada têm a ver com a realidade actual em que se promove e aceita, abertamente, a igualdade de géneros. Do ponto de vista educacional, este aspecto é relevante para a construção das sociedades futuras.

Vale a pena referir que parodiar o mundo dos contos de fadas — como acontece na narrativa do anti-herói ogre verde, o Shrek — é uma marca do pós-modernismo, pois questiona aquilo que já existe e promove outros valores mais adequados e consonantes com as exigências da contemporaneidade e este é, na opinião de educadores, pedagogos e psicólogos, um bom caminho para explorar.

Faz sentido ler contos de fadas às crianças? Sim, mas não todos, nem da mesma forma de antigamente.

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

1 ponto
Upvote Downvote

Publicado por Adília César

Educadora de infância e formadora no âmbito da Didáctica das Expressões Artísticas, sendo Mestre em Teatro e Educação. Publicou dois livros de poesia: “O que se ergue do fogo”(2016) e “Lugar-Corpo”(2017) e tem colaborações dispersas em revistas, magazines e poezines, nomeadamente: LÓGOS – Biblioteca do Tempo, Eufeme, Piolho, Estupida, Debaixo do Bulcão, Enfermaria 6 e Nova Águia, além de ensaios e artigos de opinião. É co-coordenadora do projecto literário “LÓGOS – Biblioteca do Tempo” e co-directora editorial da revista com o mesmo nome.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

COMENTE ESTA OPINIÃO!

A Rádio Está a Morrer

O grande vencedor da Eurovisão 2018