in

“Alegria do Amor” é a ponta de lança do Vaticano II

"Alegria do Amor" é a ponta de lança do Vaticano II

Para uma resolução das questões de recasados, celibato, intercomunhão e ordenação de mulheres

António Justo

Com a exortação “Alegria do Amor„ o papa Francisco procura dar resposta às necessidades da Igreja e do mundo contemporâneo, diligenciando para que a Gaudium et Spes e outros documentos do Vaticano II sejam postos em prática; em parte tinham sido deitados ao esquecimento devido ao medo das ondas ricochete da Igreja conservadora que, outrora, ganharam especial forma na resistência ao Concílio, encabeçada pelo cardeal Marcel Lefebvre; este via em alguns documentos conciliares uma “protestantização da Igreja” especialmente no que  respeita à liberdade religiosa, ao ecumenismo e à colegialidade dos Bispos (maior competência aos bispos). Precisamente nesta se apoia Francisco compatibilizando a colegialidade episcopal com o poder das chaves de Pedro no Papa! No mar revolto, a Igreja de Pedro é impelida pelas ondas e marés conservadoras e progressistas. Umas e outras são fruto do mesmo Paráclito. Também na Igreja são possíveis os mais diversos biótopos espirituais.

O princípio da ambivalência como estratégia de desenvolvimento e de sobrevivência

Com “Alegria do Amor„ (Amoris Laetitia) o Papa Francisco aponta pistas para resolver problemas de espiritualidade de cristãos recasados e ainda outros atualmente mantidos na gaveta (intercomunhão, celibato, ordenação de mulheres, bênção de homossexuais), dando um peso especial ao método da casuística e da moral de situação incardinadas. 

O Papa parece querer tornar atual o método discursivo da controvérsia tão própria dos jesuítas e parece querer introduzir no discurso, a ambivalência como estratégia de enfrentamento e de resolução de questões complexas. 

Indirectamente realiza-se aqui uma certa democratização do pensamento e acentua-se a revelação de Deus no processo da História! Dá-se valência tanto ao método dedutivo como ao indutivo, de alcançar a verdade, numa perspectiva do “não só…, mas também…”. Num mundo de definição a-perspectiva são reconhecidas diferentes percepções ou perspectivas no processo de discernimento em formação.  

Naturalmente, a Igreja Católica, para se manter sempre viva e sustentável, na sequela Christi, para não se perder no tempo, terá de ser capaz de manter a criatividade e subjectividade própria do tempo e, ao mesmo tempo, terá de manter, como luzeiro de orientação individual e global, a doutrina de caracter mais abstracto e objectivo. Por outro lado, terá que permitir a coexistência das duas impostações ortodoxia e ortopraxia, diria em analogia, terá de manter um centralismo doutrinal paterno e um regionalismo fraternal: a mãe não se desvincula dos filhos, nem os filhos se desvinculam da mãe (Infalibilidade complementada pela colegialidade episcopal e objectividade doutrinal –institucional – complementada pela subjectividade individual!).

Pelo que pude observar da leitura da Exortação, o Papa Francisco afirma a doutrina, mas parte do princípio da jurisprudência “in dubio pro reo” (em caso de dúvida, pelo arguido”)!  Isto implica a inclusão de uma certa gradualidade na lei, o que não agrada aos apologistas da Exortação de João Paulo II que, segundo eles, na Familiaris Consortio, 34, não prevê gradualidade na lei.  (Tais conflitos são muito comuns no mundo secular onde os princípios da Constituição, são muitas vezes contrariados pela legislação parlamentar ordinária.)

Maior enfoque do método da casuística e da moral de situação

A teologia moral procura resolver conflitos entre deveres de consciência, deveres morais, e deveres religiosos. A casuística insere-se na moral de costumes, sendo um segmento da teologia ética católica. Exige grande capacidade de diferenciação e discernimento ao manter a correlação entre a consciência individual e a norma paradigma. Aqui, a orientação da análise é de caracter indutivo e como tal a argumentação parte de casos concretos e analogias por vezes em confronto com uma argumentação da razão baseada em princípios. A Amoris Laetitia veio complementar a regulamentação anterior, dando relevo à situação e circunstâncias, valorizando assim a casuística.

Para certos grupos populacionais (maioria) a moral baseada em princípios dedutivos oferece mais clareza e segurança, porque pode prescindir de uma autoanálise e de uma decisão própria, limitando-se a pessoa a seguir o que é certo a nível de doutrina geral. 

O processo de discernimento segundo o método casuístico exige raciocínio minucioso e uma argumentação muito delicada. Naturalmente, a casuística se perder de vista o paradigma da doutrina pode tornar-se propensa a abusos e pode levar a uma “moral laxa” (Blaise Pascal) mas o critério acaba sempre por se afirmar. A casuística é influenciada pelo direito judicial (in loco) e não pela lei.

Tomás de Aquino também fala de “lex dubia non obligat” (“A lei não obriga a incerteza“); esta máxima tanto se pode aplicar no sentido da teologia da libertação (método indutivo que parte dos dados da experiência para tomar conclusões: ortopraxia) como da teologia dogmática que baseia as suas conclusões em princípios universais (método dedutivo: ortodoxia).

O recurso à casuística cria, necessariamente, lacunas que se equilibram, ao interpretarem-se as cláusulas gerais (dogmática). A exortação do Papa Francisco, com uma conotação da teologia da libertação, impede um normativismo e um formalismo demasiadamente vinculados a formulações (encíclicas antigas) muito conotadas pelo espírito do tempo.

A nova praxis exige maior maturidade

Continua em Pegadas do Tempo, António da Cunha Duarte Justo

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

2 pontos
Upvote Downvote

Publicado por António da Cunha Duarte Justo

Natural de Arouca, formado em Filosofia, Teologia, e Ciências da Educacao, casado com a pintora Carola Justo, 4 filhos, jornalista, (activi.profis. sindicalistas e políticas, cf. http://antonio-justo.eu). Autor e ex-chefe redator da revista Gemeinsam, publicou o livro de poesias “Nas pegadas da Poesia” na OxaláEditora, colaborador de várias revistas e jornais, é presidente da Associação Arcádia.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

COMENTE ESTA OPINIÃO!

Cenas Literárias

Cenas Literárias

Os amigos (não) são para as ocasiões

Os amigos (não) são para as ocasiões