in

Ainda falta muito para o Sporting ser candidato

O contexto desta preparação de temporada não terá paralelo no que foi a história recente do Sporting. Com uma comissão de gestão a assumir a organização da equipa, com um calendário de jogos de preparação abaixo do nível de exigência esperado, com um plantel que, feito aos soluços, chega à semana de início de competição oficial ainda com lacunas por preencher.

José Peseiro assume uma tarefa hercúlea para uma época onde, por certo, se deverão evitar cobranças ao trabalho do treinador. Vai juntando as peças que tem à sua disposição, tentando preparar-se para um nível competitivo que nunca conseguiu, realmente, demonstrar que é o seu. O plantel, à partida, apresenta soluções para se encontrar uma equipa com um futebol mais entusiasmante, dado o talento disponível. No entanto, até ao momento, isso ficou por provar nas exibições dos jogos de preparação.

A baliza estará entregue ao italiano Emiliano Viviano, um guarda-redes que tem a experiência suficiente para ser um substituto aceitável de Rui Patrício. No entanto, perder um elemento de topo mundial será, sempre, uma baixa de qualidade na baliza leonina, com Renan Ribeiro a poder espreitar espaço se o italiano falhar em alguma partida.

No que toca à defesa, se o corredor central não apresenta novidades, com Coates e Mathieu a manterem-se como titulares absolutos e André Pinto a surgir como a terceira opção de Peseiro, existem grandes diferenças entre as duas faixas laterais. À direita, quer Ristovski, quer Bruno Gaspar, apresentam consistência para serem participantes do jogo ofensivo, cumprindo a nível defensivo. À esquerda, Jefferson tenta recuperar posição depois de uma época de empréstimo, enquanto Lumor não fará sombra ao brasileiro. Aqui haveria espaço para a chegada de um concorrente sério para assumir o lugar.

O meio-campo será uma posição onde o Sporting ainda clamará por um reforço de peso, sobretudo para assumir a posição de médio mais recuado. No jogo frente ao Empoli, a escolha de Rodrigo Battaglia e Josip Misic para o duplo volante, demonstra bem das fragilidades que o plantel vive nesta zona do terreno. Wendel demora a apresentar velocidade de jogo para ser titular no Sporting, enquanto Petrovic parece, também, carta fora do baralho. Acuña, que já foi testado em posição interior, voltou a aparecer como extremo-esquerdo, situação que pouco o beneficia nesta ideia que Peseiro apresenta para a equipa.

Talento para atacar

Será, mesmo, do meio-campo para a frente, que o Sporting apresenta um número de soluções consistente com a vontade de ser um candidato ao título. Bruno Fernandes, Nani e Bas Dost são titulares indiscutíveis, esperando-se que Matheus Pereira e Raphinha possam também espaço para expressar as suas qualidades. As equipas de José Peseiro revelam sempre alguma tendência para partir, o que poderá voltar a verificar-se esta temporada, no entanto, se se optar por um trio de criativos com bastante liberdade para desequilibrar o adversário, o Sporting apresentará aí a sua principal força.

Na frente de ataque, Bas Dost tem tudo para voltar a ser o finalizador-mor da equipa. Faltará, neste momento, uma opção de banco para o lugar do holandês, com Fredy Montero, pelas suas características, a obrigar a equipa a repensar-se em demasia quando se verifica a troca. Quando se fala de o possível regresso de Rafael Leão ou Slimani, ou da chegada de Lucas Pérez, é natural que aqui se veja ainda outra das vagas em termos do que poderá vir a ser o Sporting da temporada 2018/19.

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

1 ponto
Upvote Downvote

Publicado por Luís Cristóvão

Analista de futebol e autor do Podcast Linha Lateral. Toda a informação no meu site pessoal, luiscristovao.com

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

COMENTE ESTA OPINIÃO!

O que se passa com Jonas e outras questões sobre o Benfica

Flexibilização de abono de família para trabalhadores da EU