in

Absolvição de cristã pelo Supremo Tribunal suspensa devido a protestos

Declaração de Falência do “Direito” que regula o Estado

Depois de nove anos de prisão de Asia Bibi, acusada de blasfêmia, a Suprema Corte do Paquistão absolveu a cristã da pena de morte por crime de blasfêmia e ordenou sua libertação; isto na sequência de muitas campanhas a nível internacional pedindo a liberdade de Asia Bibi.

Depois de protestas na rua contra a decisão do tribunal supremo, o Governo paquistanês, em conivência com as manifestações da rua, acordou, com os seus representantes, ignorar a jurisprudência.

Estado de direito e cultura muçulmana excluem-se mutuamente, porque o pleno direito é condicionado ao islâmico. Disto só fala gente “non grata” porque é tabu para o pensar politicamente correcto. Para o ocidente, tudo isto é varrido para debaixo do tapete com o argumento de que são apenas extremistas em acção. 

O advogado de Asia Bibi, não se encontra seguro no próprio país e por isso já fugiu para o estrangeiro.

A cristã paquistanesa foi acusada de ter ofendido o profeta Maomé. O tribunal achou as alegações de culpa não suficientemente fundamentadas e por isso ordenou a libertação de Asia (51 anos).

Num verão quente, Asia ofereceu água a duas trabalhadoras do campo. As duas muçulmanas não quiseram aceitar a  água (porque a água vindo das mãos de uma cristã era  impura). Perante isto originou-se uma discussão na qual a cristã supostamente terá dito algo ofensivo sobre o profeta Maomé. A mãe de cinco filhos negou sempre a acusação. 

Asia e família estão em perigo de vida (alguns especulam que já se encontrará fora do país)!  Mesmo se lhes fosse dado asilo num país ocidental teriam de viver sob uma outra identidade porque o islamismo encontra-se já por todo o lado. Aqui se vê a fraqueza das nossas leis de asilo que acolhe no seu seio precisamente parte da multidão que no Paquistão grita contra pessoas doutra religião ou etnia. O asilo não se enaltece por dar asilo a pessoas fortes que se tenham distinguido na defesa da liberdade e dos direitos do Homem independentemente de etnia ou religião. Dá-se asilo a grupos internos a quem se vendem armas e deste modo acolhem-se muitos radicais islâmicos. 

Asia, agora nem na prisão não estará segura. 

Em 2011 o governador da província de Punjab foi assassinado pelos seus próprios guarda-costas por ter criticado a lei da blasfémia. Dois meses depois foi também assassinada a ministra das minorias paquistanesas por ter intervindo na defesa da cristã.

António da Cunha Duarte Justo in Pegadas do Tempo

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

0 pontos
Upvote Downvote

Publicado por António da Cunha Duarte Justo

Natural de Arouca, formado em Filosofia, Teologia, e Ciências da Educacao, casado com a pintora Carola Justo, 4 filhos, jornalista, (activi.profis. sindicalistas e políticas, cf. http://antonio-justo.eu). Autor e ex-chefe redator da revista Gemeinsam, publicou o livro de poesias “Nas pegadas da Poesia” na OxaláEditora, colaborador de várias revistas e jornais, é presidente da Associação Arcádia.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

COMENTE ESTA OPINIÃO!

Eleições quentes – Esquerda radical em Delírio no Brasil e na Europa

Empresas alemãs apoiaram as eleições dos USA com 3 mil milhões de euros