in

A Ordem dos Assistentes Sociais é finalmente uma realidade em Portugal(05/07/19)

Uma classe composta por profissionais corajosos e resistentes e comprometidos com os valores dos direitos humanos, da equidade e da justiça social..

O processo da criação da Ordem Profissional dos assistentes sociais começou em 1997, mas, só decorridos 22 anos foi aprovada na Assembleia da República a Lei da sua criação, com os votos a favor do PS, CDS, PAN e de 4 deputados do PSD; com a abstenção do PSD do PCP, BE e Verdes e de dois deputados do CDS e dois deputados do PS, e teve 2 votos contra de 2 deputados do PS; uma resolução justa para a classe.

Esta conquista tem uma grande relevância para os profissionais do serviço social (os assistentes sociais) que, quotidianamente,exercem  a sua actividade  nas diversas áreas do saber e intervenção social (na  saúde, justiça, educação, segurança social,autarquias, entre outras), em instituições da administração pública central e local, e um número significativo no 3º sector, e ainda no sector privado lucrativo.

A necessidade de regulação da classe era um objectivo premente, situação à qual não é alheio o facto de há alguns anos a esta parte, o campo de actuação do serviço social se encontrar a ser“invadida” por outros profissionais com formações académicas diversas (afins ou não), causando uma significativa desordem e descaracterização naquela que é a acção esperada e especificado serviço social, junto das pessoas que recorrem aos serviços (sem que, assim, se consiga perceber qual o tipo de intervenção a que as pessoas/utentes se encontram sujeitas).  Por outro lado, existe a necessidade de se dar maior visibilidade e reconhecimento ao trabalho desenvolvido pelos assistentes sociais, que investem, de forma empenhada, na procura de respostas sociais adequadas e qualificadas, no sentido de ajudar (pessoas, grupos e comunidades) a dirimir processos de vulnerabilidade (e descompensação) de natureza económica e (psico) social, recorrendo a metodologias e técnicas de intervenção social estruturadas. O trabalho dos assistentes sociais é absolutamente fundamental no bem estar e progresso das comunidades.

Os assistentes sociais não abdicam dos objectivos da sua profissão, em prole dos direitos humanos e da justiça social dos mais vulneráveis e de TODAS as pessoas (sem excepção)!

Irene Ferreira (IF), Assistente social

publicidade

Também gostaria de publicar o seu artigo de opinião no nosso site? Clique aqui.

Vote nesta opinião

Publicado por Irene Ferreira

Licenciada em Serviço Social pelo Instituto Superior de Serviço Social do Porto (ISSSP) e frequência do curso de Ciências da Educação, na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, da Universidade do Porto. É mestre em “Estudos Sobre as Mulheres”, pela UAb - , Lisboa, frequência do curso de doutoramento de Ciências da Comunicação. Profissionalmente,  Técnica Superior/Assistente Social na área da justiça penal.

publicidade

Deixe uma resposta

publicidade

«Ensinam, quando não fazem greve»?!

Ó Lage, não inventes!